O que não perguntar em um processo seletivo?

10 motivos para enfrentar os desafios no trabalho
08/05/2012
Kopenhagen inaugura Flagship na Oscar Freire
17/09/2013

O que não perguntar em um processo seletivo?

Por Patrícia Bispo para o RH.com.br

entrevista-de-emprego2

É através de um processo de recrutamento e seleção que às organizações chegam aos profissionais que se tornarão o diferencial para o negócio, pois são as pessoas que conduzem as decisões, tomam iniciativas que resolvem problemas como também ações que geram situações de conflito. Por isso, o momento da contratação precisa ser conduzido com extremo cuidado e por profissionais que saibam como utilizar as ferramentas que envolvem todo o processo, inclusive, a entrevista de seleção. No entanto, é comum observar que alguns selecionadores cometem deslizes como, por exemplo, na aplicação de perguntas descabidas aos candidatos. Seja por falta de tempo para estruturar a entrevista – com foco nas competências exigidas na vaga em aberto ou por falta de experiência -, o fato é que perguntas “deslocadas” fazem o recrutamento cair no descrédito e um valioso tempo seja desperdiçado. Escolhi algumas perguntas abaixo que já ouvi serem usadas R&S, mas que deveriam ficar guardadas a “sete chaves” na última gaveta ou, melhor, deletadas das seleções. Confira 10 delas:

1 – Você pode falar sobre sua vida? – Uma pergunta como essa, feita para qualquer candidato abre espaço para que a resposta dada pela pessoa nada tenha a ver com a vaga em aberto. Isso porque, além de passar a ideia de que o selecionador não se preparou para a entrevista, deixa margens para que o candidato fale sobre qualquer assunto e deixe de mencionar, por exemplo, competências que ele detém e que são valiosas para a empresa contratante.

2 – Como foi seu relacionamento na adolescência com seus pais? – Esse é outro questionamento que deveria passar longe de um processo seletivo, afinal a relação entre o candidato e os pais dele é uma questão pessoal. Além disso, provavelmente, ninguém dirá que teve conflitos sérios com seus genitores ou responsáveis.

3 – Na escola, o que mais o irritava nos professores? – Imagine uma pergunta dessas para um candidato. O mínimo que passará pela mente do profissional é: o que tem isso a ver com a vaga que desejo? Será que vão levar em consideração que eu detestava o professor de matemática?

4 – O que você mais gosta e o que detesta na vida? – “Vou responder como um bom menino. Lógico!”. Diante de uma pergunta como essas, o candidato pode afirmar que o que mais preza é a família, os bons costumes, a natureza. E o que mais abomina: a violência, a fome, o analfabetismo, entre outro.

5 – Você quer fazer parte da nossa equipe? – Que candidato responderia negativamente a essa pergunta? Se ele está disputando a vaga é porque, no mínimo, precisa pagar suas despesas ou porque deseja novos desafios. Muitos podem nem acreditar, mas perguntas como essa ainda são feitas nos processos de seleção.

6 – Sua profissão tem valor para você e os outros? – Qual profissional diria que sua profissão não vale um “tostão furado”? O que ele pode falar é que cada vez mais procura aprimorar conhecimentos, porque sua atividade é fundamental para a empresa.

7 – Entrar em nossa organização o assusta? – É muito mais sensato questionar quais os atrativos que levaram o profissional a se interessar por fazer parte da equipe da empresa. Quem vai responder que algo o assusta, principalmente quando se quer conquistar uma oportunidade no mercado?

8 – O que você faria para tirar nossa empresa do buraco? – Quem respondesse: “Eu daria todo o meu suor”, “Trabalharia 24 horas seguidas”, “Deixaria de lado todos os feriados”, estaria mostrando sinais visíveis de desespero frente ao desemprego. Só atuando no dia a dia é que o profissional sabe de que forma ele pode contribuir para o crescimento corporativo.

9 – O que o faria detestar seu futuro líder? – Ninguém em sã consciência diria algo contra o futuro gestor. Imagine se o candidato respondesse: “Não suporto o líder que desvaloriza o processo de feedback”. Se a empresa não adota essa prática, certamente o profissional seria eliminado do processo, sem chance alguma de mostrar seu valor ao contratante.

10 – Se outra proposta surgisse agora, você abandonaria nossa seleção? – “Deixar essa empresa por outra? Nunca”. Lógico que quem concorre a uma vaga não afirmará que deixará a empresa na primeira oportunidade que surgir.

Então, antes de fazer determinadas perguntas durante um processo seletivo, é preciso estruturar o processo e de preferência, ao lado do gestor em que o recém-contratado irá se reportar.

Rodrigo Luis Afonso
Rodrigo Luis Afonso
Já fui de tudo um pouco, mas atualmente prefiro ser apenas eu mesmo.

Deixe seu comentário abaixo: